Contenido principal del artículo

Paula Alves de Quadros-Flores
Politécnico do Porto, Escola superior de Educação,
Portugal
Manuela Raposo-Rivas
Universidade de Vigo,
España
Vol. 2 Núm. 2 (2017), Investigación, Páginas 2-17
DOI: https://doi.org/10.24310/RevPracticumrep.v2i2.9855
Derechos de autor Cómo citar

Resumen

A inclusão de Tecnologias da Informação e da Comunicação na educação impulsionou uma dinâmica de reconstrução de paradigma com impacto na identidade profissional docente, pelo que urge refletir sobre as implicações nos modos de ensinar, compreendendo como as escolas estão a responder à integração das TIC, e como os professores têm renovado as suas práticas. A informação apresentada faz parte de um estudo realizado numa região de Portugal, envolvendo cerca de 2000 professores do 1º Ciclo do Ensino Básico. Foram aplicados dois questionários: um para compreender a relação com a tecnologia nas práticas pedagógicas e outro centrado nas boas práticas. Os resultados mostram que existe uma dinâmica que impulsiona um movimento positivo na utilização de ferramentas digitais à qual os professores e escola começam a responder. Também que a inclusão de tecnologias digitais desenha etapas para a recriação pedagógica, pelo que existem escolas e professores ainda num patamar básico de descoberta adaptando a metodologia tradicional aos novos recursos e outros, já numa etapa de mudança, de recriação de práticas educativas com novas metodologias. Conclui-se uma visão clara da necessidade de renovação da identidade profissional docente na era digital.

Citado por

Detalles del artículo

Referencias

Almeida, M. & Valente, J. (2011). Tecnologias e currículo: trajetórias convergentes ou divergentes? São Paulo: Paulus.
Area, M. (2007). A escola no labirinto tecnolóxico. En Cid, J.M & Rodríguez, J. (Org.). A Fenda Dixital e súas implicacións educativas (pp. 39-66). Galicia: Escola Nova Galega.
Cabero, J. & Román, P. (2006). La formación en Internet: variables críticas. E-actividades. Un referente básico para la formación en internet (pp. 11-22). Sevilla: Eduforma.Costa, F. (Coord.) (2008). Competências TIC. Estudo de Implementação (Vol.I). Lisboa: GEPE/ME. https://goo.gl/Lh9tZt.
Felizardo, M. H. & Costa, F. (2012). A formação de professores e a integração das TIC no currículo: com que formadores? En J. Matos (Coord.). I Congresso InternacioalTIC e Educação (pp. 93 – 107). Lisboa: Instituto da Educação – Universidade de Lisboa.
Gallego-Arrufat, M.J. & Raposo-Rivas, M. (coords.). (2016). Formación para la educación con tecnologías. Madrid: Pirámide.
Gomes, A.; Escola, J. & Raposo-Rivas, M. (2016). As TIC na escola e um novo Paradigma Pedagógico. En Escola, J., Raposo-Rivas, M., Aires, P., Martínez-Figueira, M.E. (coord.). Experiencias de investigación e intervención educativa con las TIC (pp. 13-22). Almería: Procompal.
INTEF, Instituto Nacional de Tecnologías Educativas y de Formación. (2017). Marco Común de Competencia Digital Docente. España: Ministério de Educación,Cultura y Deporte.
Lopes, A. (2002). Profissão e profissionalidade: o caso do 1º Ciclo. En O particular e o global no virar do milénio (pp. 71 – 77). Lisboa: Edições Colibri e Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação.
Lopes, N.; Escola, J.; Raposo-Rivas, M. (2015): O QIM como recurso no ensino básico do norte de portugal: Estudo de boas práticas. Universitas Tarraconensis,2, 7-27. https://goo.gl/TepTgf Matos, J. (Coord.) (2012). I Congresso Internacioal TIC e Educação. Lisboa.: Instituto da Educação – Universidade de Lisboa.
Monereo, C. & Fuentes, M. (2005). Aprender a buscar y seleccionar en Internet. In Internet y competencias básicas: aprender a colaborar, a comunicarse, a participar, a aprender (pp. 27-50). Barcelona: Graó.
Ministério da Ciência e da Tecnologia (1997). Livro Verde para a sociedade da Informação em Portugal: Missão para a Sociedade da Informação. Lisboa: M.S.I.
Moore, A. (2004). Diseño de comunidades de aprendizaje avanzado – la historia del Virginia Tech. En Epper y Bates (Orgs.). Enseñar al profesorado cómo utilizar la tecnología – Buenas prácticas de instituciones líderes (pp. 101-115). Barcelona: Editorial UOC.
Pink, D. (2006). A nova inteligência. Alfragide: Academia do livro.
Ponte, J. & Serrazina, L. (1998). As Novas Tecnologias na Formação Inicial De Professores. Lisboa: Departamento de Avaliação.
Quadros-Flores, P. (2016). A Identidade Profissional Docente e as TIC: Estudos de Boas Práticas no 1º Ciclo do Ensino Básico na região do Porto. Berlin: Novas Edições Acadêmicas.
Ramos, J., Carmo, M., Fernandes, I., Leask, M. Y Younie, S. (2001). A Escola que aprende: um estudo múltiplo de casos no âmbito da utilização educativa das TIC em escolas europeias. O caso português. Revista Inovação – Novas Tecnologias na Educação, 14(3) 97-118.
Sancho, J. (2006). De tecnologías de la información y la comunicación a recursos educativos. Tecnologías para transformar la educación, (pp. 15-49). Madrid: AKAL.
Silva, M. (2006). Sala de aula Interactiva. Rio de Janeiro: Quarteto Editora.
Tardif, J. & Faucher, C. (2010). Um conjunto de balizas para a avaliação da profissionalidade dos professores. O pólo de excelência – Caminhos para a avaliação do desempenho docente (pp. 32- 53). Maia: Areal Editores.

Artículos más leídos del mismo autor/a