Contenido principal del artículo

Natália Lopes
Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD)
España
Ana Maria Bastos
España
Vol. 2 Núm. 2 (2017), Experiencias, Páginas 69-83
DOI: https://doi.org/10.24310/RevPracticumrep.v2i2.9859
Derechos de autor Cómo citar

Resumen

Hoy, más que nunca, el profesorado tiene que estar preparado para responder a las necesidades de la sociedad. En este sentido, la dinámica de la práctica de enseñanza supervisada de los futuros docentes puede ser la clave para posibilitar una mayor aproximación a las exigencias sociales y de la educación, ya que nos sitúa en contacto con el contexto real de las escuelas. Ésta es una oportunidad única e imprescindible para el futuro docente: contactar con la realidad del día a día y conocer el contexto en el cual escogió trabajar.


A lo largo de varios años, las Directrices Curriculares para los Cursos de Formación Inicial del Profesorado tienen sufrido en la Universidad de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD, Portugal), varias reformulaciones creando la posibilidad de actuaciones, en el sentido de ampliar la práctica en la formación del docente, permitiendo a los estudiantes la experiencia con actividades del trabajo docente que van más allá del aula y del contenido específico. Nos parece importante explicar lo que es la experiencia en el Prácticum, actualmente denominado “Práctica de enseñanza supervisada”, en esta universidad y reflexionar sobre su relevancia, por considerar dicha práctica fundamental en la formación del futuro docente.


Mostramos las dinámicas existentes en relación a la práctica de enseñanza supervisada en el Primer Ciclo de la Enseñanza Básica, de los diferentes Másteres en Enseñanza del Primer Ciclo, por ser en ese contexto en el que se enmarca nuestra experiencia. Reflexionamos sobre la práctica de enseñanza supervisada como premisa esencial incuestionable en la formación de un futuro docente porque la aproximación e inmersión en la realidad escolar le permite percibir los desafíos que la carrera le ofrecerá, al tiempo que lo hace conocer con mayor precisión la profesión que va a ejercer, integrando los diversos componentes del saber como el saber, el saber ser y el saber hacer, obteniendo (in)formaciones e intercambio de experiencias.

Citado por

Detalles del artículo

Referencias

Alarcão, I. & Canha, B. (2013). Supervisão e Colaboração. Uma relação para o desenvolvimento. Porto: Porto Editora.
Albuquerque, A. ; Graça, A. ; Januário, C. (2005). A supervisão pedagógica em Educação Física – A perspetiva do orientador de estágio. Editora: Livros Horizonte.
Amorim, T., Freitas, T. & Wanderley, L. (1994). Estágio universitário: problema ou solução? In V ENAGRAD – Encontro Nacional dos Estudantes de Graduação,ENAGRAD, Piracicaba.
Bertelli, L. (2002). Estágios de Estudantes. In Boorg, G. (Coord). Manual de Gestão de pessoas e equipes. São Paulo: Editora Gente.
Bianchi, A. C. M.; Alvarenga, M.; Bianchi, R. (2009). Manual de Orientação: Estágio Supervisionado. 1ª Ed. São Paulo: Cengage Learning.
Caires, S. & Almeida, L. (2000). Os estágios na formação dos estudantes do ensino superior: tópicos para um debate em aberto. Revista Portuguesa de Educação, 13 (2), pp. 219-241.
Caires, S. (2003). Vivências e percepções do estágio pedagógico: a perspectiva dos estagiários da Universidade do Minho. Dissertação de Doutoramento, Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, Portugal.
Ferreira, C. A.; Bastos, A. M. (2015). O portefólio no contexto do estágio no 1º ciclo do ensino básico: um instrumento orientador e regulador da aprendizagem dos futuros professores. In Raposo-Rivas, M.; Muñoz Carril, P.C. Zabalza-Cerdeiriña, M.; Martínez-Figueira, M.E.; Pérez-Abellás, A. Documentar y Evaluar la experiencia de los estudiantes en las prácticas. Poio 2015. (pp. 935-944). Santiago de Compostela: Andavira.
Filho, A. P. (2010). O Estágio Supervisionado e sua importância na formação docente. Revista P@rtes. dezembro. Disponível em: http://www.partes.com.br/2010/01/04/o-estagio-supervisionado-e-sua-importancia-na-formacao-docente/ Acedido a 26 de ou-tubro de 2017.
Formosinho, J.; Machado, J. & Mesquita, E. (2015). Formação, trabalho e aprendizagem. Tradição e inovação nas práticas docentes.Lisboa: Edições Sílabo.
Imbernón, F. (2014). Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez.
Lebre, E. ; Bento, J. (2004). Professor de Educação Física – Ofícios da Profissão (Homenagem ao Professor Alfredo Faria Júnior pelos 40 anos de docência).Ed: Saúde e Sá – artes gráficas.
Kulcsar, R. (1991). O estágio supervisionado como atividade integradora. In Fazenda, I.C.A. [et all]; Piconez, S.C.B. (Coord.). A prática de ensino e o estágio supervisionado. Campinas-SP: Papirus.
Marques, A. (2007). MeIntegra – Mercados e estratégias de inserção profissional: Licenciados versus empresas da Região Norte Relatório Final. Coleção DS/CICS. Minho: Universidade do Minho. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/8633. Acedido a 12 de novembro de 2017.
Oliveira, S. (2009). Estágios para Universitários: representações e implicações nainserção profissional dos jovens brasileiros e franceses. Dissertação de Doutoramento, Escola de Administração da Universidade Federal do RioGrande do Sul, Brasil.
Ryan, G., Toohey, S. & Hughes, C. (1996). The purpose, value and structure of the practicum in higher education: a literature review. Higher Education, 31,pp. 355-377.
Sá-Chaves, I. (2000). Formação, Conhecimento e Supervisão. Contributos nas Áreas de Formação de Professores e de Outros Profissionais. Aveiro: Universidade de Aveiro/CIDTFF.
Santos, R. (2012). Supervisão Pedagógica. Visão crítica de um percurso. Estoril: Prime Books.
Silva, A. (2008). Características do comprometimento de estagiários com organizações de trabalho. Dissertação de Mestrado, Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil.

Legislação
Decreto-Lei n.º 6/2001 de 18 de janeiro que define os princípios orientadores a que deve obedecer a organização e gestão do currículo, nomeadamente, a coerência e sequencialidade entre ciclos do ensino básico. Diário da República n.º 15/2001, Série I-A de 18 de janeiro de 2001.
Decreto-Lei n.º 139/2012 de 5 de julho que estabelece os princípios orientadores da organização e da gestão dos currículos, da avaliação dos conhecimentos e capacida-des a adquirir e a desenvolver pelos alunos dos ensinos básico e secundário. Diário da República, 1.ª série — N.º 129 — 5 de julho de 2012.
Decreto-Lei n.º 91/2013 de 10 de julho que estabelece os princípios orientadores da organização e da gestão dos currículos dos ensinos básico e secundário, da ava-liação dos conhecimentos a adquirir e das capacidades a desenvolver pelos alunos e do processo de desenvolvimento do currículo dos ensinos básico e secundário. Diário da República n.º 131/2013, Série I de 10 de julho de 2013.
Decreto-Lei n.º 79/2014 de 14 de maio que aprova o regime jurídico da habilitação profissional para a docência na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário. Diário da República, 1.ª série — N.º 92 — 14 de maio de 2014.LegislaçãoRevista Practicum, V2(2), 69-83. ISSN: 2530-4550