Contenido principal del artículo

Paula Maria Quadros-Flores
Escola Superior de Educação do Politécnico do Porto
Portugal
Biografía
Daniela Mascarenhas
Escola Superior de Educação do Politécnico do Porto
Portugal
Manuela Machado
Agrupamento de Escolas Albufeira Poente
Portugal
Vol. 5 Núm. 2 (2020), Investigación, Páginas 47-64
DOI: https://doi.org/10.24310/RevPracticumrep.v5i2.10227
Derechos de autor

Resumen

Estudos revelam que os estudantes portugueses apresentam dificuldades na resolução de problemas. Este estudo, desenvolvido com alunos do 4º ano, teve como objetivo promover melhoria na resolução de problemas envolvendo a operação divisão. Desenharam-se três objetivos específicos: analisar a influência do método de Polya na resolução de problemas; perceber a abordagem da gamificação na motivação e envolvimento dos alunos; compreender o efeito de recursos tecnológicos digitais no processo de aprendizagem. Seguindo metodologia de investigação-ação e abordagem mista, utilizaram-se os instrumentos de recolha de dados: observação participante, diário do projeto, aplicação de um teste antes (pré-teste) e depois (pós-teste) das situações formativas.  A aplicação do método de Polya ajudou a melhor compreender e organizar o problema, fomentando autonomia na resolução do mesmo; o recurso à gamificação estimulou o entusiasmo e o desejo dos estudantes atingirem os seus objetivos; os recursos digitais, como avatares, facilitou a articulação curricular e capacidades de colaboração

Detalles del artículo

Referencias

Almeida, L. & Freire, T. (2000). Metodologias da Investigação em Psicologia e Educação. Braga: Compolito, Lda
Bogdan, R. & Biklen, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação. Porto: Porto Editora
Carmo, H. & Ferreira, M. (2008). Metodologia da Investigação – Guia para Auto-aprendizagem. Lisboa: Universidade Aberta.
Casaril, M. (2016). Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA): a concepção de letramento e o estado da arte no Brasil. Trama, 12(27), 84-109.
Deterding, S., Sicart, M., Nacke, L., O'Hara, K., & Dixon, D. (2011). Gamification. using game-design elements in non-gaming contexts. In CHI'11 extended abstracts on human factors in computing systems, 2425-2428. Vancouveger, Canadá. ACM 978-1-4503-0268-5/ 11/ 05.
Fardo, M. L. (2013). A gamificação aplicada em ambientes de aprendizagem. RENOTE, 11(1).
Kapp, K. M. (2012). The gamification of learning and instruction: game-based methods and strategies for training and education. Conjectura: Filos. Educ., Caxias do Sol 18 (1), 201-206.
Krulik, S., & Reys, R. (Eds.). (1980). Problem solving in school mathematics. Reston: NCTM.
Latorre, A. (2003). La investigación-acción: Conocer y cambiar la práctica educativa (3ªed). Barcelona: Graó.
Latorre, A. (2005). La investigación-acción: Conocer y cambiar la práctica educativa (3ªed). Barcelona: Graó.
Martinho, H. (2011). A comunicação na sala de aula de matemática: um projecto colaborativo com três professoras do ensino básico. Braga: Centro de Investigação em Educação. Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho.
Mascarenhas, D., Maia, J., & Martínez, T. S. (2017). Geometria e Grandezas no 5º ano: Dificuldades e Estratégias – Um Estudo em duas escolas do distrito do Porto. Berlin: Novas Edições Académicas. ISBN: 978-620-2-40050-3.
Meirinhos, M. & Osório, A. (2010). O estudo de caso como estratégia de investigação em educação. EDUSER: revista de educação, 2 (2), 49-65.
Polya, G. (1977). A arte de resolver problemas. Rio de Janeiro: Editora Interciência.
Pólya, G. (1980). On solving mathematical problems in high school. In S. Krulik & R. Reys (Eds.), Problem solving in school mathematics (pp. 1-2), Reston: NCTM.
Polya, G. (2003). Como resolver problemas. Lisboa: Gradiva.
Ponte, J. P. (2005). Gestão curricular em Matemática. In GTI (Ed.), O professor e o desenvolvimento curricular (pp. 11-34). Lisboa: APM.
Richter, G., Raban, D. R., & Rafaeli, S. (2015). Studying gamification: the effect of rewards and incentives on motivation. In Gamification in education and business (pp. 21-46). Springer, Cham.
Windham, D. M. (1990). Declaração Mundial sobre Educação para Todos: Satisfação das Necessidades Básicas de Aprendizagem. Jomtien: UNESCO. ISBN: 92-3-102769-7(eng/ara), 92-3-202769-0 (fre), 92-3-302769-4 (spa).
https://unesdoc.unesco.org/search/N-EXPLORE-a882e630-f046-4e40-bcae c614df59801d
Vale I. & Pimentel, T. (2004). Resolução de problemas. In P. Palhares (coord.). Elementos da matemática para professores do ensino básico. Lisboa: Lidel.
Vassileva, J. (2012). Motivating participation in social computing applications: a user modeling perspective. User Modeling and User-Adapted Interaction, 22(1-2), 177-201.
Zichermann, G., & Cunningham, C. (2011). Gamification by design: Implementing game mechanics in web and mobile apps. O'Reilly Media, Inc. ISBN:1449397670 9781449397678.
https://dl.acm.org/citation.cfm?id=2073550
Zichermann, G., & Linder, J. (2010). Game-based marketing: inspire customer loyalty through rewards, challenges, and contests. ISBN: 978-0-470-56223-9. https://cutt.ly/DfLkXcG