Contenido principal del artículo

Pablo Marcel De Arruda Torres
Universidade Federal de Campina Grande. Brasil.
Brasil
Biografía
Vol. 14 (2019), Artículos académico-científicos, Páginas 164-171
DOI: https://doi.org/10.24310/Idiseno.2019.v14i0.7091
Derechos de autor Cómo citar

Resumen

As mudanças e as incertezas são elementos marcantes do mundo contemporâneo. Ao mesmo tempo em que a escala da economia global não tem precedentes, grande parte da população mundial enfrenta grandes desafios. As pessoas buscam autonomia e rejeitam a influência das instituições tradicionais, resultando em um abismo entre indivíduos e as organizações que ainda operam sob a lógica da era industrial. Movimentos de baixo para cima, a integração das pessoas no processo de inovação, conexões em rede e as tecnologias de comunicação estão desafiando os sistemas tradicionais pré-estabelecidos. Neste contexto, a Inovação Sociotécnica envolve tanto um processo de alteração na estrutura de um sistema como na relação entre os atores dentro do sistema. O modelo proposto reflete uma estrutura modular que pode ser adaptada às particularidades e características de cada projeto, tendo como objetivo gerar uma visão ampla das Inovações Sociotécnicas, apresentando um novo quadro, prático e uniforme.

Citado por

Detalles del artículo

Referencias

AAKER, D. (2011). Relevância de Marca: como deixar seus concorrentes para trás. Porto Alegre: Bookman.

BAUMAN, Z. (2001). Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

BOES, A. & TRINKS, K. (2007). “Internationale Innovationspartnerschaften in der ITBranche”. In: Arbeitsforschung und Innovationsfähigkeit in Deutschland. Munich: Rainer Hampp Verlag, pp. 85-94.

BULLINGER, H. J. (2006). “Verdammt zur Innovation”. In: RKW-Magazin, 57(1), pp. 12-14.

GEELS, F.W. (2004). “From sectoral systems of innovation to socio-technical systems: Insights about dynamics and change from sociology and institutional theory”. In: Research Policy, 33(7), pp. 897-920.

GRIMALDI, P. (2014). Blur design: il branding invisibile. Bologna: Fausto Lupetti Editore.

INGLEHART, R. (1997). Modernization and Postmodernization: Cultural, Economic and Political Change. New Jersey: Princeton University Press.

KIMBELL, L. (2009). “The turn to service design”. In: Design and Creativity: Policy, Management and Practice. Oxford: Berg, pp. 157-173.

KOTLER, P., KARTAJAYA, H., & SETIAWAN, I. (2010). Marketing 3.0: as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Rio de Janeiro: Elsevier.

MANZINI, E. (2007). “Design research for sustainable social innovation”. In: Design Research Now: Essays and Selected Projects. Basel: Birkhäuser Basel, pp. 233–245.

MANZINI, E. (2008). Design para a inovação social e sustentabilidade: comunidades criativas, organizações colaborativas e novas redes projetuais. Rio de Janeiro: E-papers.

MAXMIN, J. & ZUBOFF, S. (2002). The Support Economy: why corporations are failing individuals and the next episode of capitalism. London: Penguin Press.

MURRAY, R. (2009). Danger and Opportunity: Crisis and the New Social Economy. London: NESTA.

SACHS, J. D. (2015). The age of Sustainable Development. New York: Columbia University Press.

STEIN, J. (2012). Bottom-up and Top-down Innovation: Create an Innovative Company. New York: Simply Innovate.

THE YOUNG FOUNDATION (2012). Social Innovation: Context and Responses. Brussels: European Commission, DG Research.